Arquivo da tag: Propaganda

As Armas Secretas do Marketing de Alimentos

Por Ada Bento, Camila Araújo e Camila Leão.

Já faz muito tempo que o marketing deixou de ser apenas propagandas inocentes sobre determinado produto ou conceito. Atualmente, ele pode ser definido mais como uma ciência, que estuda e conhece seu público alvo e sabe quais estratégias usar para convencê-lo. O marketing pode convencer milhões de pessoas sobre as ideias e realidades mais absurdas, provando que estas são as melhores opções que você poderia fazer.

food ind

Clique na imagem para assistir o vídeo.

Este pequeno vídeo tem uma poderosa mensagem que pode ajudar as pessoas a compreender sobre a forma como são bombardeadas diariamente por profissionais ultra capacitados, com o intuito de consumir todo tipo de produto industrializado, que não faz nenhum bem à saúde – individual ou do planeta.

É um vídeo fascinante. Tanto pela maneira como foi produzido (e conduzido) quanto pela reação da plateia com as informações que eram passadas. As expressões faciais e a falta de aplausos ao final da apresentação mostra o quanto a plateia ficou chocada com as informações.

De fato, nada torna a agricultura industrializada aceitável. Para mais informações, visite o site da organização que luta para combater essa questão.

Com informações de: awebic.com

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Vale a pena substituir refeições por Shakes emagrecedores?

Por Camila Araújo e Camila Leão (com informações do Fechando o Zíper).

Vivemos em um mundo em que o “magro” é idealizado. Existe uma faixa de peso saudável para cada pessoa, mas mesmo assim, a fissura pelo emagrecimento nunca esteve tão em evidência. E é claro que a indústria se aproveita disso, divulgando produtos supostamente milagrosos que prometem afinar o corpo e de forma rápida! Aí entram os famosos SHAKES EMAGRECEDORES.

dieta_shake_22No início desta semana, uma reportagem causou bastante repercussão nas redes sociais: uma mulher ficou sem o movimento das pernas, após fazer dieta líquida durante 8 meses. A jovem que desejava perder peso rapidamente para chegar ao carnaval com menos 10kg, abriu mão de uma alimentação saudável e da orientação de um nutricionista, e decidiu basear sua alimentação nos famosos shakes e chás emagrecedores, além de fazer uso de medicamentos inibidores de apetite. Como consequência, a perda de peso foi até maior do que o esperado, chegando a 13kg, porém o custo para a saúde da jovem foi alto – desnutrição grave, beribéri e a perda temporária dos movimentos dos membros inferiores.

Leia a reportagem completa AQUI.

emknO uso de estratégias para emagrecimento rápido é algo bastante difundido pelas diferentes mídias. Há algum tempo, o programa Bem Estar, da Rede Globo, discutiu sobre o uso dos SHAKES como substitutos para refeições. Contudo, mais uma vez a mídia transmitiu a informação de maneira inadequada, pois além de não contar com a presença de um nutricionista – profissional especializado e, portanto mais indicado para falar sobre alimentação – levou a população a crer que este tipo de dieta pode ser feita sem acompanhamento e sem implicações à saúde.

Confira o vídeo do Bem Estar AQUI.

O médico que participou do programa fez as seguintes afirmações, as quais gostaríamos de destacar:

  • “Dependendo do shake, se tiver uma composição nutricional apropriada ele pode perfeitamente ser usado a longo prazo.”

Em primeiro lugar, o que é uma composição nutricional apropriada? Na maioria das vezes, um shake é só mais um alimento industrializado cheio de aditivos para ser misturado com leite. Portanto, ele pode não ter a composição apropriada quando combinado com outros elementos da dieta. Geralmente eles contêm baixas quantidades de energia, a qual precisamos para a manutenção das nossas funções. Além disso, as vitaminas e os minerais são adicionados industrialmente ao produto. Quanto a ser utilizado a longo prazo, não generalizaríamos isso em rede nacional, pois vai depender de cada caso e se ele vai substituir uma refeição, pode haver consequências decorrentes das deficiências nutricionais devido a essa substituição.

Ingredientes: Diet Shake Crocante – Nutrilatina

  • “Se quiser substituir alguma das refeições principais por shake, desde que seja um shake com uma boa composição (com substâncias feitas com objetivo de gerar saciedade) ele pode entrar no almoço.”

Nesse caso, arroz, feijão, carne e salada dão um show de saciedade!!! Muito mais do que um copo de uma bebida dessas. Frutas e vegetais também são ótimas para isso, pois contém muitas fibras (de verdade, ao invés da inulina – fibras extraídas das raízes da cebola e da chicória – e da polidextrose) e prolongam a sensação de estar bem alimentado por mais tempo. Além disso, não possuem corantes artificiais como o caramelo IV, amarelo crepúsculo e bordeux S. Fora os 20 minutos, o tempo no qual mastigamos os alimentos… Tempo esse essencial, pois nesse período, o estômago envia a informação para o cérebro de que estamos saciados. Sem sombra de dúvidas vale muito mais a pena almoçar/jantar comida de verdade.

O que é o Corante Caramelo IV?

No Brasil, bem como mundialmente, os corantes caramelos estão aprovados como aditivos alimentares em diversos alimentos, respeitando-se as condições específicas de uso. A ANVISA considera que, até o momento, não existem evidências científicas que justifiquem alterar o status da aprovação de uso do corante Caramelo IV na legislação sanitária brasileira de alimentos, tampouco a obrigatoriedade de advertência sobre eventual periculosidade deste aditivo alimentar. Mas, se mantém preparada para adotar as ações necessárias no Brasil, caso qualquer evidência aponte que os níveis encontrados desse corante representem um risco à saúde humana.*

E o Corante Amarelo Crepúsculo?

Estudos realizados demonstraram que alguns corantes amarelos, entre eles a tartrazina e o amarelo crepúsculo, podem inibir a síntese de tromboxano, interferindo na coagulação sangüínea e apresentando com isso um risco potencial à saúde.

Quer saber mais sobre o Corante Bordeaux S?

Alguns estudos são contraditórios quanto à inocuidade carcinogênica deste corante, sendo, por medida de segurança, proibido nos Estados Unidos desde 1976. No Canadá é permitido, pois sua estrutura química é bastante semelhante a outros corantes considerados não carcinogênicos. Na Inglaterra seu uso é permitido em caráter provisório até que se apresentem estudos mais conclusivos. No Japão foi voluntariamente banido pelas indústrias de alimentos e na União Européia seu uso é permitido.**

  • “O grande charme do shake é que ele é completo do ponto de vista nutricional e tem bem menos calorias do que uma refeição. Então, é uma maneira fácil de substituir uma refeição e é muito interessante para pessoas que querem emagrecer.”

Por mais que ele possa ter os nutrientes de que o organismo precisa, substituir uma refeição por um shake se torna monótono… Mais uma vez voltamos a bater na tecla de que a alimentação diária deve ser variada e balanceada, para compor uma dieta completa. Fica difícil obter uma dieta variada utilizando somente um alimento, não é mesmo?

Quanto a ter menos calorias e a ser mais interessante para pessoas que querem emagrecer, não concordamos. A pessoa que quer emagrecer deve mudar hábitos de uma vida inteira de alimentação incorreta. Somente uma boa reeducação alimentar faz isso. Soluções milagrosas só servem para os quilos perdidos serem encontrados mais adiante.

  • “ ‘Posso substituir por conta própria ou devo consultar um médico?’ Ah eu acho que não tem problema substituir por conta própria. Claro que tendo a orientação de médico ou nutricionista tende a seguir de forma mais correta.”

Na própria embalagem de um shake encontramos a mensagem abaixo:

O nutricionista sempre deve ser consultado, pois é quem vai prescrever a dieta mais adequada ao metabolismo do paciente, conforme seu estilo de vida, seus hábitos de vida, sua rotina, suas preferências e suas necessidades.

A Revista Proteste já testou cinco shakes para emagrecer com sabor de chocolate e concluíram que eles “podem até servir para substituir um lanche, mas não uma grande refeição. Eles não têm equilíbrio nutricional, apresentando excesso de proteínas e baixo aporte de energia. Para usar na dieta, só mesmo com o auxílio de um nutricionista.”

Nem tudo são calorias. O valor de uma dieta adequada está na qualidade dessa alimentação. Diminuir a quantidade de alimentos ricos em gordura, em sódio e em açúcar e aumentar a quantidade de alimentos com fibras e vitaminas, certamente tem um efeito mais benéfico à saúde. Ainda que o resultado venha a longo prazo, o nosso corpo agradece e os quilos a mais vão embora para nunca mais voltar.

E você, já descobriu que a alimentação saudável + exercício é a fórmula para uma vida saudável?

Fontes:

*ANVISA – Informe Técnico nº. 48, de 10 de abril de 2012.

**Prado, M. A. & Godoy, H. T. Corantes artificiais em alimentos. Alim. Nutr., Araraquara, v.14, n.2, p. 237-250, 2003.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Campanha Del Valle Kapo #EraSóOQueFaltava

Por Camila Araújo, Camila Leão e Maína Pereira.

 
del_valle_kapo_campanhaA nova campanha publicitária do refresco Del Valle Kapo no canal GNT está utilizando uma estratégia de marketing bastante dúbia: mães famosas estão dando dicas de como fazer os filhos consumirem frutas. As três peças da campanha ressaltam a relação da criança com a família e a alimentação por meio do incentivo a adoção de uma abordagem parental que foque na diversão em consumir alimentos saudáveis ao invés da imposição.

Outros aspectos destacados são: o papel das mães em ser o exemplo de alimentação saudável para os filhos, a utilização de atividades lúdicas que proporcionem interesse em experimentar frutas diferentes e a abordagem do sistema alimentar ao incentivar a produção e contato com alimentos que podem ser cultivados em casa.

carinho kappoVale ressaltar ainda que, como já dissemos em outro post, relacionar o consumo de alimentos com aspectos afetivos também é uma estratégia de marketing que vem sendo bastante explorada pelas empresas. “O segredo é carinho”, reforçado pela campanha, retrata isso muito bem.

Outro grande problema é associar o consumo deste refresco, com altos teores de açúcar e com aditivos, como substituto do consumo de frutas e como uma opção mais divertida para as refeições.

Na verdade, em nenhum momento fala-se do suco; apenas no final, ao usar “seu filho vai curtir as frutas com Del Valle Kapo”. Depois de dar dicas super saudáveis, a publicidade termina dando a entender que: “toda essa diversão só acontece se for com o Kapo”…

Além disso, vale ressaltar que em nenhuma das peças foram utilizadas as crianças como personagens principais da campanha; elas apenas a integram como “coadjuvantes”, com a participação por meio de fotos que as identifiquem como “filho” da Astrid, da Cynthia ou da Diana. Será que isso foi proposital? Pensando em toda essa discussão da regulamentação da publicidade, em que existe a ideia de defender a publicidade direcionada aos pais e não às crianças, fica a dúvida: o fato de não existirem crianças propriamente ditas no vídeo poderia ser uma estratégia da marca/empresa para transmitir uma imagem de “politicamente correta” já que a campanha é claramente direcionada aos pais e não à criança (mesmo que seja um produto para crianças)?

Vamos à resposta: em maio 2013 a Coca-Cola se comprometeu a fazer um “marketing responsável” e assumiu publicamente que não faria mais propagandas voltadas para crianças com menos de 12 anos de idade. Entretanto, de acordo com informações divulgadas sobre esta campanha, a mesma teria começado em junho, com a exibição da peça “uva em apuros”, a qual é certamente direcionada para o público infantil.

Outro aspecto que merece destaque é o fato de que na campanha com as apresentadoras do canal GNT, o marketing realizado através da televisão foi voltado para os pais, porém a embalagem (outra importante forma de marketing – apesar de não ser reconhecida pela ANVISA como tal) é direcionada para a criança.

Avaliação Nutricional do Kapo

Ao consultar o site da marca, verifica-se que a linha Del Valle Kapo conta com duas opções de bebida: as bebidas de frutas (refrescos) e os néctares. Como já foi dito aqui, existe uma diferença entre esses dois tipos de bebidas. Uma das principais diferenças entre elas é o teor mínimo de polpa (isto é, da fruta em si) que cada uma precisa ter. O suco é o que tem a maior concentração. Em seguida vem o néctar e, por último, o refresco. Entretanto, esses percentuais mínimos variam caso a caso, já que cada fruta tem uma particularidade.

Sabe-se que a presença de alguns ingredientes utilizados neste tipo de produto mascaram o verdadeiro sabor da fruta. Ou seja, consumir o refresco Kapo não incentiva as crianças a consumirem frutas in natura. Muito pelo contrário: podem até fazer com que elas tenham mais dificuldade em consumí-las, visto que não serão tão doces quanto a bebida.

Para agravar ainda mais o problema dessa publicidade, as bebidas apresentadas são os refrescos – com os maiores teores de açúcar e menores teores da fruta em si.

A figura abaixo ilustra a composição de uma dessas bebidas de fruta:

kappo abacaxi -

Ao observar a lista de ingredientes, é possível perceber que o produto conta com açúcar (em maior quantidade) e sucos de maçã, laranja, uva, abacaxi e maracujá, além dos nutrientes artificialmente presentes – já que “colocar” as frutas dentro da caixinha faz elas perderem a maioria de seus nutrientes.

Ora, se isso é uma bebida mista, que conta com essa variedade de sabores de suco, por que defini-lo como “sabor abacaxi”, se ele é um dos últimos da lista de ingredientes? Por conta do “aroma sintético idêntico ao natural”?

Esse fato reforça ainda mais que a bebida Kapo NÃO substitui uma fruta. Sendo que a propaganda traz, portanto, uma informação confusa e enganosa, tanto para as crianças quanto para as mães.

O consumo de frutas por crianças é extremamente importante para a saúde, porém é algo pouco incentivado. Propagandas como esta, ao invés de ajudar, com certeza só atrapalham no estímulo ao consumo de frutas e à adoção de uma boa alimentação.

 

Se você ainda não viu a campanha, seguem os vídeos abaixo:

1 comentário

Arquivado em Notícias

Ceia da Árvore – Sadia #EraSóOQueFaltava

Por Camila Araújo e Camila Leão.

Navegando pela Internet em busca de novidades sobre alimentação e a mídia, encontramos o seguinte relato:

“Acabei de assistir a um comercial que diz que existe o dia oficial de armar a árvore de natal. E para o ritual em família ser completo deve existir uma ceia. Não qualquer ceia, mas a ~ Ceia da Árvore ~ ou seja, uma ceia com um peru da Sadia. O mercado está criando um dia para oficializar as celebrações natalinas. Sim, meus caros, porque comer peru só no natal não basta. Devemos consumir peru também no dia ~oficial de montar a árvore de natal~.
Não tô bege não. Tô roxa. De raiva.
A cara de pau dessa gente senhores, não conhece limites.”

(Por Balzaca Materna)

Fomos em busca da nova campanha da sadia para saber um pouco mais e descobrimos que existe até um site dedicado somente para ela! Entre as várias informações apresentadas na página, destacamos o texto de “boas vindas”, o qual explica a ideia da campanha e o vídeo de divulgação:

ceia da arvore

#EraSóOQueFaltava!

Em entrevista à revista Meio e Mensagem, a Sadia justificou que poucos sabem a data certa de montar a árvore de natal e que esta faz parte da tradição cristã, assim como o próprio dia 25 de dezembro. Porém, a verdade é que além de o comércio descaracterizar o verdadeiro objetivo do Natal, tornando-o nada mais que uma data comercial, não satisfeitos com o aumento absurdo de vendas nesse período, agora eles estão inventando um “segundo natal”.

A ideia começa com um “dia da ceia de árvore”, no qual já inseriram a obrigação de realizar uma prévia da ceia do dia 25. Já pensou se a ideia pega, os outros setores do comércio gostam e resolvem estimular uma prévia da troca de presentes também? Não seria nada mal para a indústria de brinquedos, adicionar mais uma data “comemorativa” na qual os pais se sentissem obrigados a comprar presentes para as crianças.

O PropagaNUT concorda com a opinião da Balzaca Materna. O dia de montar a árvore (caso esta data realmente seja representada por um dia fixo), deve ser o dia de montar a árvore, e não uma prévia do tão esperado Natal!

12 Comentários

Arquivado em Notícias

Alimentos maquiados? #EraSóOQueFaltava

Por Camila Leão. 

Quando uma pessoa vai participar de um programa ou de uma propaganda na tv, é normal que ela use alguma maquiagem, para esconder algo indesejado ou para ressaltar determinada qualidade. Isso não é novidade pra ninguém, certo?
Mas e as comidas? Será que o jeito que elas são mostradas na televisão corresponde a sua imagem real? Quando você compra, por exemplo, um sanduiche de uma rede de fast foods, o seu pedido vem igual ao da propaganda? Provavelmente não!

Isso ocorre, pois assim como as pessoas, os alimentos também são “maquiados” para que pareçam saborosos, suculentos e irresistíveis, e portanto, para que convençam o consumidor a comprá-los.

O vídeo abaixo (Os truques dos comerciais de comida: ajudando as crianças a entender os comerciais de tv) mostra como isso é feito:

“Você já se perguntou porque nas propagandas os hambúrgueres parecem tão gostosos? Vamos mostrar truques, por exemplo, como fazer um hambúrguer qualquer se tornar irresistível!? Para que o hambúrguer fique com uma aparência de grande e suculento, nós deixamos cada lado dele na chapa, por aproximadamente 20 segundos, ou seja, quando ele aparece na propaganda ele está praticamente cru. Isso faz como que ele não resseque e não diminua seu tamanho.
Em seguida nós queremos torná-lo especial; fazer com que pareça que ele foi feito no grill de sua casa. Para isso eu uso uma espécie de lâmina quente, criando as marquinhas que imitam o grill.
Quanto aos pães, eu procuro em meio a vários deles, até achar um com o tamanho e formato ideais, e então eu cuidadosamente colo grãos de gergelim nele, dando o toque final perfeito! Além disso, nós também não queremos que o pão fique oleoso, por isso colocamos um cartãozinho que impede a carne de entrar em contato com o pão.
Parece que o hambúrguer não ficou perfeitamente encaixado no pão, então eu vou fazer uma pequena cirurgia: Vou pegar uma tesoura, cortar um pedacinho e abrir mais a carne, para que assim pareça que ela é do tamanho certinho para o pão. Detalhe: vocês nunca verão isso, pois nós mostraremos apenas a frente do sanduíche.
Em seguida, nós vamos “pintar” nosso hambúrguer para que ele fique brilhoso e com uma boa aparência na televisão.
Para montar a salada, eu busco entre várias folhas de alface aquelas que estão com a melhor aparência e as coloco em água gelada, para que fiquem parecendo ainda mais crocantes. Depois eu as espeto no hambúrguer, usando alfinetes e garantindo a posição perfeita para a propaganda. Faço isso também com o tomate e com o picles.
Ele não ficou maravilhoso? Ele parece maior do que a maioria dos sanduíches que você compra em fast foods,
Quanto as batatinha fritas, eu escolho as maiores e mais douradas, depois as espeto em um isopor com palitos de dente, para que assim as embalagens pareçam sempre perfeitamente cheias.”

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Os Alimentos e a Mídia

Por Angelita Grebin Ewald*. 

Quando abrimos uma revista, visitamos um site ou ligamos a televisão nos programas e telejornais lá estão notícias sobre alimentos e saúde. Sem dúvida, é urgente falarmos de sobre alimentos e saúde, uma vez que estamos morrendo pela boca!

São inúmeras as informações, são notas diárias nos telejornais nos mais diversos canais e horários do dia. Nos mais variados jornais escritos de capitais e cidades do interior matérias editadas pelos próprios ou ainda matérias pagas veiculadas com muita frequência.

globo repórter

“O programa de hoje vai desvendar os segredos dos superalimentos da América Latina.” Fonte: Globo Repórter

Inclusive vários temas sobre alimentação, saúde e prevenção veiculados no tão famoso Globo Repórter da Rede Globo que parece exercer um poder de persuasão bastante positivo no povo brasileiro. Tudo o que é noticiado na sexta-feira a noite, é muito comentado pela população no sábado, domingo e dura muitas vezes até a terça-feira e depois morre e ninguém mais faz ou fala das dicas tão valiosas sobre alimentos, saúde e emagrecimento lá apresentadas.

E o mistério se instala, a dúvida paira. Por que será que não surte efeito contínuo no dia a dia das pessoas?

Será que é porque não repetem tantas vezes quanto as propagandas de refrigerantes, chocolate e cerveja? Porque dizem que “a propaganda é a alma do negócio e que segredo da propaganda é convencer por insistência”. E isso realmente funciona e a prova disso é o estado nutricional de sobrepeso e obesidade cada vez mais crescente em nossas crianças e adultos.

Ou será que é porque não educamos nossas crianças para uma vida saudável?

Nossos hábitos alimentares estão baseados no que é popular, no que é fácil e rápido. Não temos tempo para nos alimentar adequadamente e muito menos para preparar um lanche saudável para nossos filhos, é muito mais fácil darmos a eles alguns reais para comprarem na cantina da escola.

Já existem leis que obrigam as escolas a manterem uma cantina que ofereça alimentos saudáveis e também a terem no seu quadro de funcionários os profissionais nutricionistas. Porém esse fato que eu chamo de marketing positivo ainda não está estampado nos meio de comunicações, só sai no diário oficial.

Nas escolas onde trabalho eu estimulo os gestores a usarem a “alma do negócio” ou seja, se promoverem por oferecer um serviço diferenciado de Alimentação e Nutrição que estimula o desenvolvimento de bons hábitos alimentares nos alunos.

Nosso amado país é naturalmente riquíssimo e dono de uma diversidade alimentar, seria muito proveitoso que usássemos isso a nosso favor respeitando cada estado e região. Que tivéssemos políticas públicas mais agressivas e incisivas através de projetos de educação alimentar e prevenção em saúde.

Seria muito, mas muito interessante usar a mídia também para promover a saúde, usá-la a nosso favor como o fazem as grandes empresas. Porque do contrário só iremos reforçar o que o diz o sábio Dalai Lama “Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde”.

E lembrem-se desse outro velho jargão que não mente: “Prevenir é melhor do que remediar”. E é bem mais barato aos cofres públicos.

*Angelita Grebin Ewald é nutricionista e escreve no site A Nutricionista.com, de onde o texto foi retirado.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Um manifesto pela regulação da publicidade de alimentos!

Por Camila Araújo e Mariane Bandeira.

Screen Shot 2013-06-21 at 13.18.31

Estamos vivendo um momento único na nossa história. Há muito tempo, não vemos os brasileiros tão unidos e saindo para as ruas indignados com a triste realidade do País. A saúde está precária, os meios de transporte público não funcionam como deveriam e se mostram insuficientes para a demanda, faltam investimentos na educação, fora a questão da corrupção, desvio de verbas, impunidade, altos impostos e diversos outros problemas que assolam a Nação. E para engrossar o caldo, os elevados gastos com a Copa do Mundo para a construção de faraônicos estádios de futebol juntamente com o aumento das passagens de ônibus em São Paulo foram a gota d’água! São tantas coisas para reclamar e reivindicar, a população está tão saturada e revoltada que todos estão levantando bandeiras por suas causas.

E aproveitando esse clima de mudanças e protestos, o PropagaNUT também quer manifestar sua causa. Estamos cansados, revoltados e indignados com tantos abusos cometidos pela indústria e marketing de alimentos industrializados, principalmente aqueles direcionados ao público infantil! A epidemia de obesidade é real e global, e mais de 90% dos alimentos promovidos pela publicidade são ricos em açúcar, gordura e sódio. Dados do Ministério da Saúde revelam que 30% das crianças brasileiras estão com sobrepeso e obesidade e 7 em cada 10 crianças continuam obesas na fase adulta. Recentemente, foi publicada uma pesquisa sobre o impacto da obesidade no Sistema Único de Saúde (SUS) em que são gastos anualmente 488 milhões de reais com tratamentos de doenças associadas a esse quadro.

REGULAÇÃO DA PUBLICIDADE DE ALIMENTOS JÁ!

Para mais informações, acesse:

Frente pela regulação da publicidade de alimentos.

Campaign for a Commercial Free Childhood.

Instituto Alana.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias