Arquivo da tag: Na Mídia

Manifesto: por um mundo com mais comida de verdade e menos derivados do Whey

Por Ada Bento, Camila Araújo e Camila Leão.

Na era da globalização, em que a informação está acessível para praticamente toda a população, através dos mais diversos meios de comunicação – rádio, televisão, propagandas, jornais, revistas, internet, redes sociais – todos os dias surgem novidades, sobre tudo que pudermos imaginar, atingindo milhares de pessoas. Entre tudo o que é apresentado nesses meios, um tópico é muito recorrente: a preocupação com a saúde e com o corpo.

Se por um lado isso é bom, pois provavelmente essas pessoas buscarão ter hábitos de vida saudáveis, por outro elas podem “perder a medida” e se deixar ser influenciadas por informações que, muitas vezes, não são confiáveis.

Um ponto comum entre o cuidado com a saúde e a aparência é a alimentação. Principalmente através das redes sociais, todos os dias são compartilhadas informações, opiniões ou receitas estimulando a adoção de uma alimentação mais saudável. Entretanto, se formos acompanhar os grupos “fitness” e suas respectivas receitas, veremos que muitas vezes o foco é a hipertrofia ou a perda de peso a qualquer custo – sem se preocupar com os outros aspectos relacionados ao ato de comer, como por exemplo, o prazer de se alimentar, a cultura, a interação social e até mesmo com carências nutricionais devido a falta de micronutrientes, provenientes de uma alimentação variada e balanceada.

Um aspecto que é comum a quase todas as receitas sugeridas por esses grupos, é o uso excessivo de suplementos protéicos, em especial o Whey Protein, como ingredientes principais, que podem ser adicionados em todo tipo de preparação: bolos, brigadeiro, sorvete, panqueca, pão, e o que a imaginação sugerir.

Entendendo melhor sobre os suplementos alimentares

Qual a indicação dos alimentos para atletas?

Os alimentos para atletas são indicados para indivíduos com necessidades nutricionais específicas em decorrência de exercícios físicos.

Por que os praticantes de atividade física não foram contemplados na norma da ANVISA?

Uma dieta balanceada e diversificada é suficiente para atender as necessidades nutricionais de praticantes de exercício físico, visto se tratar dos indivíduos que praticam atividade física de forma regular ou esporádica com objetivo de promoção da saúde, recreação, estética, aptidão física, condicionamento físico, inserção social, desenvolvimento de habilidades motoras ou reabilitação orgânico-funcional.

Fonte: ANVISA.

RDC nº 18/2010

A grande tendência no consumo ocorre de tal forma, que o mercado lançou até mesmo um ovo de páscoa com Whey Protein.

foto

Imagem das redes sociais.

 

#EraSóOqueFaltava!

Será que todo brasileiro precisa suplementar proteínas? De acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008-2009) o consumo de proteínas pela população brasileira  é ligeiramente superior à recomendação do Guia Alimentar (de 10% a 15%), em especial nos adultos e idosos.

No que diz respeito à participação calórica das proteínas nas regiões do Brasil, a região Centro-Oeste obteve a segunda maior média do país, ficando atrás apenas da região Norte.

E será que o consumo dos suplementos, da forma exagerada que esses grupos “pregam”, não acarretaria problemas à saúde, visto que a maioria de nós já consome uma quantidade adequada de proteínas? Aguardem um post sobre esse tema, em breve!

Como já falamos neste post, existem opções mais saudáveis e baratas do que os convencionais ovos de páscoa industrializados! E vale ressaltar que essas opções são preparadas com comida de verdade!!!

É preciso cuidar do corpo e da saúde, mas devemos fazer isso da forma mais natural, equilibrada e sem exageros – preferindo sempre que possível os alimentos, ao invés de suplementos ou produtos alimentícios ultra processados, que de comida de verdade não têm quase nada!

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Danoninho: leite e fruta?

Por Camila Araújo e Camila Leão. 

Vocês já viram a nova propaganda do Danoninho?

dn

Clique na imagem para ver o vídeo.

Ela fala que o Danoninho possui “o cálcio do leite”, “a vitamina e a fruta”, além da “energia pra brincar”. Olhando assim, não parece nada demais – “Ah, então o Danoninho e os petit suisses em geral são uma mistura de leite e fruta”. Mas não é bem por aí. De onde vem aquela consistência e o sabor docinho, já pararam pra pensar? Então vamos observar a sua lista de ingredientes para analisar melhor:

danoninho - lista de ingredientes

Clique na imagem para ampliar

“Mas espera aí, não era só leite e morango?”

Na verdade, não. Basta observar essa lista com 30 ingredientes – e não apenas 2, como somos levamos a pensar com um tipo de propaganda como essa. Além do fato de a propaganda ser direcionada ao público infantil (que pode usar a desculpa de que o produto é saudável e ficar pedindo aos pais insistentemente, porque viu “passando na TV”), ela ainda a passa uma mensagem enganosa para os pais desavisados, que não conferem as informações ali passadas com as informações dos rótulos.

Além disso, na propaganda a criança diz que o danoninho tem “a vitamina e a fruta”, porém quando prestamos atenção na lista de ingredientes, vemos que de morango só tem a polpa – provavelmente em uma pequena quantidade. Quanto às vitaminas, todas são adicionadas artificialmente.

Aí os pais se perguntam: “Nossa, mas meu filho gosta tanto de danoninho, o que eu faço?”

Para ajudá-los nesse momento, o pessoal do Fechando o Zíper e a Thais Ventura, responsável pelo blog As delícias do Dudu, fizeram o vídeo abaixo, que além de ensinar uma receita de Petit Suisse caseiro, ainda compara essa versão com a industrializada:

fz

Clique na imagem para ver o vídeo.

Então fica mais uma vez o lembrete: não confie nas propagandas e sempre confira os rótulos dos produtos que você deseja consumir. E melhor ainda para sua saúde e de seus filhos, se puder preparar receitas em casa, com ingredientes que você teria na sua cozinha, prepare!

2 Comentários

Arquivado em Notícias

Novas regras para a rotulagem são propostas por Michelle Obama

Por Camila Araújo e Camila Leão.

Michelle Obama

A primeira dama dos EUA anunciou uma série de propostas para mudanças nas regras de rotulagem de alimentos do país. As mudanças foram salientadas ontem no site do The Guardian:

  1. Novas porções: serão mostradas quantas porções tem na embalagem inteira.
  2. Quantidade de calorias escrita em maior tamanho.
  3. Quantidade de calorias provenientes da gordura total não serão mais listadas separadamente.
  4. Acréscimo da informação sobre açúcares adicionados: separados dos açúcares naturalmente presentes no alimento.
  5. Acréscimo das informações sobre quantidade de vitamina D e Potássio.

bcb1b218-b041-4dd6-ae6f-1ebc336375bd-460x433

De acordo com a Primeira Dama, os pais merecem ter acesso à informação que eles precisam para fazer as melhores escolhas alimentares para seus filhos. Ela também comentou sobre o estudo publicado essa semana (falamos sobre isso aqui), ressaltando que a diminuição das taxas de obesidade em crianças é um sinal de que o esforço está dando resultados, mas que o país ainda está muito longe do fim dessa luta.

A proposta, que se for aceita pode custar até 2 bilhões de dólares para a indústria, ainda será avaliada e vai demorar alguns anos para ser colocada em prática, porém com certeza é imperativo que diretrizes como essa sejam atualizadas, tendo em vista o cenário do país com a obesidade crescendo em níveis epidêmicos.

1 comentário

Arquivado em Notícias

Estudo mostra redução de 43% na obesidade infantil nos Estados Unidos

Por Camila Araújo e Camila Leão (com informações*).

89133692

Estudo recém publicado, divulgou dados promissores: diminuição de 43% na taxa de obesidade entre crianças de 2 a 5 anos durante a última década.

Foi o primeiro declínio abrangente na epidemia de um problema que costuma prenunciar uma vida de luta contra o peso e o risco de câncer, cardiopatias, derrame e outras doenças. A queda foi constatada por uma grande pesquisa federal considerada por especialistas o padrão-ouro para avaliar o peso médio dos americanos. A redução da obesidade nessa faixa etária foi vista como uma boa surpresa por especialistas, pois pesquisas mostram que crianças com sobrepeso ou obesidade entre os 3 e 5 anos tendem a permanecer assim também na vida adulta. Cerca de 8,4% das crianças entre 2 e 5 anos estavam obesas em 2012, contra 13,9% em 2004.

Pesquisadores apontam que o aumento do número de crianças que são amamentadas e a diminuição do consumo de bebidas ricas em açúcar e de calorias totais, podem ser possíveis causas para essa redução. Outra causa, sugerida pela primeira dama Michele Obama, seria o sucesso de sua campanha “Let’s move!”

Entretanto, para algumas pessoas estes dados não são suficientes para “tanta comemoração”. O repórter americano Kevin Drum questionou como a obesidade decaiu em 43% entre crianças de 2 a 5 anos, e se manteve estável entre indivíduos de 2 a 19 anos? Além dele, John Jakicic, diretor da University of Pittsburgh’s Physical Activity and Weight Management Research Center, disse que o único jeito de garantir que essa queda foi realmente significativa, é realizando um estudo mais longo. Já a repórter Alice G. Walton, ressaltou que a redução de 43% dos índices de obesidade infantil, na verdade, ocultam em grande parte a verdadeira tendência na última década: as taxas de obesidade entre jovens e adultos têm se mantido constante.

De qualquer forma, dados como este servem de estímulo para continuarmos na luta contra a obesidade. Além disso, a importância da educação e conscientização da população para adoção de um estilo de vida saudável é inegável. Se os dados refletem uma real queda das taxas de obesidade infantil, vamos aguardar alguns anos para conferir.

* Fontes:

  1. Pela primeira vez, cai obesidade infantil nos EUA; informação e prevenção funcionam contra o mal do século.
  2. Is Childhood Obesity Really on Its Way Down?
  3. Estudo publicado no The Journal of the American Medical Association. 

1 comentário

Arquivado em Notícias

Alimentação e acne: será que tem a ver?

Por Camila Araújo e Camila Leão.

No programa Bem Estar de ontem, que contou com a presença de um endocrinologista e de uma dermatologista, foi discutido sobre as causas e o tratamento da acne. Como de costume, um dos médicos que participou do programa abordou um assunto que não é de sua competência: alimentação. Após receberem a pergunta de alguns espectadores sobre o consumo de determinados alimentos influenciando no aparecimento de acne, a resposta foi a seguinte: “A alimentação não tem nada a ver com acne”

Veja o vídeo do programa aqui.

Apesar de no site ser afirmado que a alimentação pode ter influência, o grande impacto que o programa tem é por meio da TV, ou seja, quanta gente não deve ter sido atingida acreditando que essa afirmação é uma verdade absoluta?!

A alimentação tem influência SIM sobre o aparecimento de acnes. Para exemplificar, um estudo* publicado ano passado mostrou a importância de uma alimentação adequada para o tratamento de uma pessoa com acne – os autores sugerem que alimentos ricos em zinco e vitaminas A e E auxiliam na profilaxia e no tratamento da acne.

A propósito… O medicamento mais usado para tratamento de espinhas é o Roacutan ou Isotretinoína, que nada mais é, trocando em miúdos, do que uma “mega dose” de vitamina A. Se as pessoas tentassem melhorar primeiro a alimentação, para depois procurar um médico, ou até fizesse isso de forma concomitante, talvez o uso desse medicamento reduzisse bastante e se aplicasse somente a casos mais severos, por exemplo.

Mais uma vez destacamos a importância de um profissional de nutrição para discutir a alimentação,  caso contrário, o serviço prestado por essas informações torna-se um “desserviço”, apenas confundindo a população.

*A versão completa deste estudo não está disponível para download gratuito em qualquer local. Entretanto, se você estiver curioso para ler tudo, basta ir a uma biblioteca de universidade pública e fazer o download, lá ele é permitido!

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

McDonald’s além da cozinha

Por Camila Araújo e Camila Leão.

Na tarde de ontem a jornalista Francine Lima participou de um “Café Universitário” que contava com a presença de um executivo do McDonald’s. Como ele ia falar de “comunicação e cadeia de valor”, uma possibilidade era que fosse abordado sobre a propaganda “Além da Cozinha“, que mostra de onde supostamente vêm os ingredientes dos produtos da rede.

Durante a palestra, Francine fez algumas perguntas a respeito do processo de produção e dos ingredientes utilizados pela empresa. Estes questionamentos, pelo visto, foram bastante desconfortáveis tanto para o executivo, quanto para os organizadores do evento. Confira o relato de Francine AQUI.

Durante seu questionamento, Francine cita os extras do documentário Super Size Me em que  Morgan Spurlock guarda lanches do McDonald’s e de outros restaurantes que produzem os hambúrgueres e as batatas fritas de forma mais “artesanal”. O resultado pode ser conferido no vídeo abaixo:

Apesar de os sanduíches de ambas as lanchonetes estragarem mais ou menos ao mesmo tempo, as batatas fritas do McDonald’s se mantiveram intactas durante 10 semanas (tempo que durou o experimento).

Outro experimento bastante parecido, foi proposto pela fotógrafa americana Sally Davies – ela comprou em abril de 2010 uma promoção do Mc Lanche Feliz e guardou o hambúrguer e as batatas fritas, sem refrigeração, em uma prateleira de sua casa coberto apenas com um recipiente de vidro. A fotógrafa vem registrando o estado em que se encontra o lanche e o resultado é surpreendente:

 davies

Quando esta foto foi tirada, o lanche já estava sendo guardado a mais de três anos, sem sinais de deterioração!

Podemos observar que os resultados dos experimentos foram diferentes no caso dos sanduíches. Uma possibilidade seria porque Spurlock escolheu sanduiches que continham vegetais, molhos e queijos, ou seja, ingredientes mais perecíveis. Já Davies utilizou apenas o hambúrguer e o pão.

De qualquer forma, tudo indica que os lanches produzidos pelo McDonald’s NÃO SÃO uma opção saudável.

E vocês, o que acham desses experimentos?

2 Comentários

Arquivado em Notícias

Vale a pena substituir refeições por Shakes emagrecedores?

Por Camila Araújo e Camila Leão (com informações do Fechando o Zíper).

Vivemos em um mundo em que o “magro” é idealizado. Existe uma faixa de peso saudável para cada pessoa, mas mesmo assim, a fissura pelo emagrecimento nunca esteve tão em evidência. E é claro que a indústria se aproveita disso, divulgando produtos supostamente milagrosos que prometem afinar o corpo e de forma rápida! Aí entram os famosos SHAKES EMAGRECEDORES.

dieta_shake_22No início desta semana, uma reportagem causou bastante repercussão nas redes sociais: uma mulher ficou sem o movimento das pernas, após fazer dieta líquida durante 8 meses. A jovem que desejava perder peso rapidamente para chegar ao carnaval com menos 10kg, abriu mão de uma alimentação saudável e da orientação de um nutricionista, e decidiu basear sua alimentação nos famosos shakes e chás emagrecedores, além de fazer uso de medicamentos inibidores de apetite. Como consequência, a perda de peso foi até maior do que o esperado, chegando a 13kg, porém o custo para a saúde da jovem foi alto – desnutrição grave, beribéri e a perda temporária dos movimentos dos membros inferiores.

Leia a reportagem completa AQUI.

emknO uso de estratégias para emagrecimento rápido é algo bastante difundido pelas diferentes mídias. Há algum tempo, o programa Bem Estar, da Rede Globo, discutiu sobre o uso dos SHAKES como substitutos para refeições. Contudo, mais uma vez a mídia transmitiu a informação de maneira inadequada, pois além de não contar com a presença de um nutricionista – profissional especializado e, portanto mais indicado para falar sobre alimentação – levou a população a crer que este tipo de dieta pode ser feita sem acompanhamento e sem implicações à saúde.

Confira o vídeo do Bem Estar AQUI.

O médico que participou do programa fez as seguintes afirmações, as quais gostaríamos de destacar:

  • “Dependendo do shake, se tiver uma composição nutricional apropriada ele pode perfeitamente ser usado a longo prazo.”

Em primeiro lugar, o que é uma composição nutricional apropriada? Na maioria das vezes, um shake é só mais um alimento industrializado cheio de aditivos para ser misturado com leite. Portanto, ele pode não ter a composição apropriada quando combinado com outros elementos da dieta. Geralmente eles contêm baixas quantidades de energia, a qual precisamos para a manutenção das nossas funções. Além disso, as vitaminas e os minerais são adicionados industrialmente ao produto. Quanto a ser utilizado a longo prazo, não generalizaríamos isso em rede nacional, pois vai depender de cada caso e se ele vai substituir uma refeição, pode haver consequências decorrentes das deficiências nutricionais devido a essa substituição.

Ingredientes: Diet Shake Crocante – Nutrilatina

  • “Se quiser substituir alguma das refeições principais por shake, desde que seja um shake com uma boa composição (com substâncias feitas com objetivo de gerar saciedade) ele pode entrar no almoço.”

Nesse caso, arroz, feijão, carne e salada dão um show de saciedade!!! Muito mais do que um copo de uma bebida dessas. Frutas e vegetais também são ótimas para isso, pois contém muitas fibras (de verdade, ao invés da inulina – fibras extraídas das raízes da cebola e da chicória – e da polidextrose) e prolongam a sensação de estar bem alimentado por mais tempo. Além disso, não possuem corantes artificiais como o caramelo IV, amarelo crepúsculo e bordeux S. Fora os 20 minutos, o tempo no qual mastigamos os alimentos… Tempo esse essencial, pois nesse período, o estômago envia a informação para o cérebro de que estamos saciados. Sem sombra de dúvidas vale muito mais a pena almoçar/jantar comida de verdade.

O que é o Corante Caramelo IV?

No Brasil, bem como mundialmente, os corantes caramelos estão aprovados como aditivos alimentares em diversos alimentos, respeitando-se as condições específicas de uso. A ANVISA considera que, até o momento, não existem evidências científicas que justifiquem alterar o status da aprovação de uso do corante Caramelo IV na legislação sanitária brasileira de alimentos, tampouco a obrigatoriedade de advertência sobre eventual periculosidade deste aditivo alimentar. Mas, se mantém preparada para adotar as ações necessárias no Brasil, caso qualquer evidência aponte que os níveis encontrados desse corante representem um risco à saúde humana.*

E o Corante Amarelo Crepúsculo?

Estudos realizados demonstraram que alguns corantes amarelos, entre eles a tartrazina e o amarelo crepúsculo, podem inibir a síntese de tromboxano, interferindo na coagulação sangüínea e apresentando com isso um risco potencial à saúde.

Quer saber mais sobre o Corante Bordeaux S?

Alguns estudos são contraditórios quanto à inocuidade carcinogênica deste corante, sendo, por medida de segurança, proibido nos Estados Unidos desde 1976. No Canadá é permitido, pois sua estrutura química é bastante semelhante a outros corantes considerados não carcinogênicos. Na Inglaterra seu uso é permitido em caráter provisório até que se apresentem estudos mais conclusivos. No Japão foi voluntariamente banido pelas indústrias de alimentos e na União Européia seu uso é permitido.**

  • “O grande charme do shake é que ele é completo do ponto de vista nutricional e tem bem menos calorias do que uma refeição. Então, é uma maneira fácil de substituir uma refeição e é muito interessante para pessoas que querem emagrecer.”

Por mais que ele possa ter os nutrientes de que o organismo precisa, substituir uma refeição por um shake se torna monótono… Mais uma vez voltamos a bater na tecla de que a alimentação diária deve ser variada e balanceada, para compor uma dieta completa. Fica difícil obter uma dieta variada utilizando somente um alimento, não é mesmo?

Quanto a ter menos calorias e a ser mais interessante para pessoas que querem emagrecer, não concordamos. A pessoa que quer emagrecer deve mudar hábitos de uma vida inteira de alimentação incorreta. Somente uma boa reeducação alimentar faz isso. Soluções milagrosas só servem para os quilos perdidos serem encontrados mais adiante.

  • “ ‘Posso substituir por conta própria ou devo consultar um médico?’ Ah eu acho que não tem problema substituir por conta própria. Claro que tendo a orientação de médico ou nutricionista tende a seguir de forma mais correta.”

Na própria embalagem de um shake encontramos a mensagem abaixo:

O nutricionista sempre deve ser consultado, pois é quem vai prescrever a dieta mais adequada ao metabolismo do paciente, conforme seu estilo de vida, seus hábitos de vida, sua rotina, suas preferências e suas necessidades.

A Revista Proteste já testou cinco shakes para emagrecer com sabor de chocolate e concluíram que eles “podem até servir para substituir um lanche, mas não uma grande refeição. Eles não têm equilíbrio nutricional, apresentando excesso de proteínas e baixo aporte de energia. Para usar na dieta, só mesmo com o auxílio de um nutricionista.”

Nem tudo são calorias. O valor de uma dieta adequada está na qualidade dessa alimentação. Diminuir a quantidade de alimentos ricos em gordura, em sódio e em açúcar e aumentar a quantidade de alimentos com fibras e vitaminas, certamente tem um efeito mais benéfico à saúde. Ainda que o resultado venha a longo prazo, o nosso corpo agradece e os quilos a mais vão embora para nunca mais voltar.

E você, já descobriu que a alimentação saudável + exercício é a fórmula para uma vida saudável?

Fontes:

*ANVISA – Informe Técnico nº. 48, de 10 de abril de 2012.

**Prado, M. A. & Godoy, H. T. Corantes artificiais em alimentos. Alim. Nutr., Araraquara, v.14, n.2, p. 237-250, 2003.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias