Saiba o que você está comendo: Molhos de tomate

Por Camila Araújo e Camila Leão.

molho de tomate1

Não há dúvidas de que o tomate é um alimento saudável. Mas e aqueles molhos disponíveis no supermercado, será que são saudáveis também? Na verdade, quando vamos ao supermercado encontramos várias opções: molhos prontos, extrato de tomate, polpa de tomate, tomate pelado enlatado, enfim, é muita coisa de tomate!

O PropagaNUT resolveu entender as diferenças entre esses produtos.

Molho, extrato, polpa ou purê?

Na verdade, a legislação só define o que seriam molhos, catchup e concentrados de tomate:

Molhos: são os produtos em forma líquida, pastosa, emulsão ou suspensão à base de especiaria(s) e ou tempero(s) e ou outro(s) ingrediente(s), fermentados ou não, utilizados para preparar e ou agregar sabor ou aroma aos alimentos e bebidas.

Catchup: é o produto elaborado a partir da polpa de frutos maduros do tomateiro (Lycopersicum esculentum L.), podendo ser adicionado de outros ingredientes desde que não descaracterizem o produto.

Fonte: RDC nº 276, de 22 de setembro de 2005

Concentrado de tomate: é o produto obtido da polpa de frutos do tomateiro (Lycopersicum esculentum L.), devendo conter, no mínimo 6% de sólidos solúveis naturais de tomate, podendo ser adicionado de sal e/ou açúcar.

Fonte: RDC nº 272, de 22 de setembro de 2005

Logo, os molhos são aqueles prontos para consumir, que basta aquecer e esparramar sobre o macarrão. Já os outros produtos (polpa, purê, extrato) precisam ser temperados e/ou diluídos, servindo como base para o molho de tomate caseiro.

Alguns rótulos da mesma marca, mas de diferentes “tipos de molhos”:

MOLHOS DE TOMATE

Polpa, purê e molho de tomate da marca Quero.
– Clique na imagem para ampliar –

Assim, podemos observar que a polpa e o purê são praticamente iguais: possuem apenas tomate e açúcar como ingredientes; por isso não têm sódio nem gorduras em sua composição, segundo a tabela de informações nutricionais.

Já o molho de tomate possui variados ingredientes:

MOLHO Quero1

-Clique na imagem para ampliar –

Tomate, em maior concentração (por ser o primeiro da lista), seguido de uma maioria de ingredientes conhecidos e utilizados por nós, como cebola, orégano, salsa, manjericão, etc. Contudo 3 ingredientes nos chamam atenção: amido modificado, extrato de levedura e glutamato monossódico.

O amido modificado é o amido – extraído de cereais, tubérculos ou raízes – que sofreu alguma modificação química, com o objetivo de alterar uma ou mais das suas características originais. É utilizado para para conferir consistência e estabilidade à fórmula do produto*.

extrato de levedura é um concentrado de componentes das leveduras. Esse produto pode ser uma alternativa para a substituição do glutamato monossódico, realizando a função de realçador de sabor. Essa mudança é positiva visto que gera um produto com menor adição de sal/sódio. Além disso o uso desse ingrediente permite que indústria estampe no rótulo que o produto foi preparado com um “aditivo natural” **.

Lá no final, entre os últimos ingredientes (mas ainda presente), está o glutamato monossódico, um realçador de sabor muito utilizado pela indústria. A maioria dos produtos industrializados disponíveis nas prateleiras dos supermercados possuem esse ingrediente, apesar de o consumo excessivo estar relacionado com casos de intoxicação e de aumentarem consideravelmente a quantidade de sódio na composição dos produtos.

A quantidade de sódio em uma porção de 60g (3 colheres de sopa) é de 382mg. Caso você consuma um macarrão com cerca de 2 conchas pequenas desse molho (cerca de 160g), você estará consumindo 1018g de sódio, o que equivale a aproximadamente 2g de sal! De acordo com a recomendação do Ministério da Saúde, deveríamos consumir 5g de sal por dia, por isso, 2g apenas no molho do macarrão é um quantidade MUITO elevada!

O PropagaNUT também analisou duas versões de molhos de uma mesma marca, sendo uma a tradicional e a outra mais “leve”.

molhos pomarola

Molhos da marca Pomarola
– Clique na imagem para ampliar –

Ao comparar esses dois rótulos, é possível observar que a versão Lévia passa a ideia de ser realmente “mais leve” e, portanto, diferenciada em todos os aspectos (basta olhas as alegações na embalagem: sabor menos ácidomenos sal0% de gorduras totais). Porém não é bem assim…

No que diz respeito à quantidade de sódio, realmente a versão Lévia possui menor quantidade que a tradicional (uma redução de 40%, como o próprio rótulo cita). Quanto às calorias, por incrível que pareça, a versão Lévia possui mais do que a tradicional!

Além disso em seu rótulo ela destaca a informação “0% de gorduras totais” sugerindo que esse é um diferencial dessa versão, e quando analisamos a versão tradicional encontramos a mesma alegação! Mas espera aí… na lista de ingredientes da versão tradicional, o óleo vegetal aparece em sexto lugar e mesmo assim a tabela nutricional está indicando “0g de gorduras totais”?? Para que esse valor seja realmente zero, a quantidade de óleo tem que ser muuuuito pequena, a ponto de ser menor que 1% da composição total do produto!

Captura de Tela 2013-06-19 às 11.52.22

Molho Tradicional Pomarola enlatado
– Clique na imagem para ampliar –

E continuando com as surpresas encontramos a versão tradicional enlatada, que não contém o realçador de sabor glutamato monossódico  e tem o sal como o quarto ingrediente (ou seja, uma adição de sal menor que a versão em caixa), apesar de conter um pouco mais de sódio (286mg), segundo a tabela de informações nutricionais.

Como pode isso? Será que essas informações estão corretas?

Concluímos que existem diferenças entre suas composições – os produtos não são a mesma coisa, apesar de terem o mesmo nome e serem da mesma marca (quanta confusão!).

Por fim, resolvemos analisar outra opção disponível nos supermercados que é pouco conhecida: os tomates pelados.

tomates pelados certo

Tomates Pelados
– Clique para ampliar a imagem –

Como podemos ver nos rótulos, de maneira geral esses produtos possuem menos sódio e uma lista de ingredientes menor, ou seja, são melhores quando comparados aos molhos. Entre as duas opções acima podemos observar que a primeira é a mais saudável, visto que a quantidade de sódio é ZERO e os ingredientes são apenas o tomate sem pele e o suco de tomate, gerando um produto livre de aditivos e o mais natural possível!

Portanto, podemos observar que às vezes os mesmos produtos de diferentes marcas (ou até da mesma marca), podem ter composições bem variadas, sendo importante a leitura do rótulo para averiguar qual é a opção  que  se encaixa no que estamos buscando.

Não é o fato de o tomate ser saudável, que torna os produtos industrializados à base dele saudáveis também. É importante analisar o “conjunto da obra”. Então, com certeza, a opção mais saudável é fazer o molho em casa: utilizando purê, polpa, extrato ou até o tomate pelado, incrementando com o seu tempero.

* Fonte: RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002.

** Fonte: REVILLION, Jean P.; BRANDELLI, Adriano; AYUB, Marco A.Z.. Production of yeast extracts from whey for food use: market and technical considerations. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 20, n. 2, Aug. 2000).

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Notícias

4 Respostas para “Saiba o que você está comendo: Molhos de tomate

  1. Pingback: Saiba o que você está comendo: Catchup | PropagaNUT

  2. Manoel Luiz

    Gostaria de saber se a massa de tomate caseira, feita com tomate orgânico, é saudável ou não.

  3. Keila Martins

    Ótuma matéria! Parabéns!

  4. Anônimo

    gostei muito das informações…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s